sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Vereda da Vigia - Porto Moniz

Distância Total / Total Distance: 800m 

Tempo / Time: 30m

GPS:


Vídeo / Video:




História / History: 





Pouca gente sabe mas é um facto.

Toda a gente associa a pesca da baleia ao Caniçal mas a primeira “fábrica” existiu na foz da Ribeira da Janela e não no Caniçal.

A instalação da primeira armação baleeira na Madeira deu-se em 1940, com a chegada à Madeira dos primeiros baleeiros e das primeiras baleeiras vindas dos Açores e com construção de um “traiol” (Designação dada a estações de processamento rudimentares, que permitiam a extracção do óleo pelo meio de panelas de grande dimensão, assentes sobre fogo directo. Estas estações eram frequentemente desprovidas de rampas para varagem dos animais) localizado a Este da foz da Ribeira da Janela, no concelho do Porto Moniz.


Só no início de 1941 é que se deram os primeiros abates que ocorreram na
zona Norte e esses animais foram transformados em óleo no referido “traiol”.

Em 1942 foi construída mais um “traiol”, desta vez no Caniço, mais concretamente no calhau do Garajau, esta construção visava aumentar a capacidade produtiva da armação baleeira e em poucos anos levou ao abandono do primeiro.

No fim da década de 40 foi iniciada a construção da fábrica do Caniçal, que substituiu o “traiol” do Garajau. Esta construção veio aumentar a capacidade produtiva da Empresa Baleeira da Madeira, por se tratar de uma unidade fabril muito mais moderna e melhor equipada.

O sucesso desta actividade baseou-se na construção de uma rede de vigias que, posicionadas em zonas costeiras altas, permitiam uma cobertura integral da costa da Ilha da Madeira, bem como uma cobertura parcial dos mares das Desertas e Porto Santo. Desta forma a ilha da Madeira possuía 8 vigias, sendo uma delas no Pico da Cruz (No complexo militar do RG3, em S. Martinho) e outra na Ponta do Garajau (Abaixo da estátua do Cristo Rei, no Caniço). Esta rede completava-se com 2 vigias na Deserta Grande. 1 no Bugio e 2 no Porto Santo. Estes edifícios davam abrigo aos homens que sondavam o mar em busca dos “espartos” (Termo importado dos Açores, para designar o sopro característico dos grandes cetáceos).

A caça atingiu o seu auge neste arquipélago na década de 50 e 60, com o pleno funcionamento das já referidas instalações fabris.


Nos anos setenta, com o crescimento do movimento internacional para a defesa das baleias, houve uma interdição de comercialização dos produtos extraídos destes animais por alguns países, que até então eram os principais compradores da produção madeirense, nomeadamente os Estados Unidos da América, a Inglaterra e a França. Essa interdição conduziu ao fim voluntário da baleação no arquipélago, que cessou em 1981.


A partir de 1986, o Decreto Legislativo Regional Nº 6/86/M tornou as águas em redor do Arquipélago da Madeira, até às 200 milhas, numa espécie de santuário para baleias, golfinhos e outros mamíferos marinhos, nomeadamente para o raro lobo-marinho.


Desses tempos na Ribeira da Janela ainda restam alguns resquícios. Desde logo a vigia das baleias e a vereda que lhe dá acesso, no Porto Moniz. A “vigia” está estrategicamente localizada para poder observar a maior área de mar. Foi, noutros tempos, o local escolhido para a observação da passagem de cetáceos.

Quando era visto alguma baleia, o funcionário da vigia emitia sinais para o Porto saindo de imediato os pescadores para a sua captura. A baleia era depois rebocada para o calhau da Ribeira da Janela e esquartejada. A cozedura para fazer o azeite era feita com lenha das serras da Ribeira da Janela ali levada por gente da Ribeira da Janela que tirava algum proveito económico da actividade.

Também ainda restam vestígios (poucos) da velha “fábrica”. Para além das memórias orais de, hoje, velhinhos que se lembram da "fábrica", nalguns poios da beira mar (sobretudo Contreiras, Quebrada do Mar e Enseada) era frequente fazer de ossos de baleia estacas para suportar a latada das vinhas.

As vértebras das baleias eram usadas para bancos de cozinha.

O Museu da Baleia situado no Caniçal, narra toda a história da caça à baleia decorrida no arquipélago da Madeira. Os aspectos da biologia e da protecção das baleias e golfinhos são abordados na exposição contribuindo para a sensibilização de todos para a necessidade de preservar estes animais.



English:

Few people knows it but it is true.

Everyone associates whale fishing to Caniçal but the first "factory" existed at the mouth of Ribeira da Janela and not in Caniçal.

The installation of the first "factory" in Madeira took place in 1940 with the arrival of the first whalers to Madeira and the first whaleboats coming from the Azores and the construction of a "traiol" (name given to rudimentary processing stations, which allowed the extraction oil by means of large pots, put on direct heat. These stations were often deprived of animal beaching ramps) located east of the mouth of the Ribeira da Janela, in the municipality of Porto Moniz.

It was only in the early 1941's that the first killing occurred in the north and these animals were processed into oil in that "traiol."

In 1942 one more "traiol" was built, this time in Canico, specifically in the pebble beach of Garajau, this construction was intended to increase the productive capacity and in a few years led to the abandonment of the first.

At the end of the 40s the construction of the factory in Caniçal was started, which replaced the"traiol" in Garajau. This construction has increased the productive capacity of the Whaling Company of Madeira, because it was a plant much more modern and better equipped.



The success of this activity was based on building a network of lookouts who were placed high in coastal areas, allowing a full coverage of the coast of Madeira, as well as a partial coverage of the seas of Desertas and Porto Santo. Thus the island of Madeira had eight lookouts, one of them in Pico da Cruz (In the RG3 military complex in São Martinho) and one in Ponta do Garajau (Below the statue of Christ in Caniço). This network was completed with two lookouts in Deserta Grande one in Bugio and two in Porto Santo. These buildings gave shelter to the men who scanned the sea in search of "espartos" (term imported from the Azores, to designate the characteristic breath of large cetaceans).

The game peaked in the islands in the 50s and 60s, with the full operation of the aforementioned plants.



In the seventies, with the growing international movement to defend the whales, there was a ban on marketing of products derived from these animals by some countries, which until then were the main buyers of Madeira production, including the United States of America, England and France. This prohibition led to the voluntary end of whaling in the archipelago, which ceased in 1981.

Since 1986, the Regional Legislative Decree No. 6/86/M made ​​the waters around the archipelago, up to 200 miles in a kind of sanctuary for whales, dolphins and other marine mammals including the rare monk seal.


From these times in Ribeira da Janela few remnants remain. Only the whales lookout and the path that gives access to it in Porto Moniz. The lookout is strategically located in order to observe the largest area of sea. It was, in other times, the site chosen for the observation of the passage of cetaceans.

When a whale was seen, the man in the lookout emitted signals to the Port and the fishermen immediately left for their catch. The whale was then towed to the pebble beach in Ribeira da Janela and quartered. The cooking to get the oil was to made ​​with wood from the mountains of Ribeira da Janela and carried by people of Ribeira da Janela that took some profit of that economic activity.



There are also still traces (few) of the old "factory." In addition to the oral memories of old men who remember the "factory", some lands by the sea (especially in Contreiras, Quebrada do Mar and Enseada) used to make stakes out of whale bones to support the vines trellis.

The vertebrae of whales were used for kitchen stools.

The Whale Museum located in Caniçal, narrates the history of whaling elapsed in the archipelago of Madeira. Aspects of biology and protection of whales and dolphins are covered by the exhibition helping to raise awareness of all to the need to preserve these animals.

         


0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Videos